Reunião Bilderberg 2022 (Washington DC) e realinhamentos geopolíticos pós pandemia

encontro-bilderber-2022-pos-pandemia

Bilderberg 2022 

Não é todo dia que um grupo de elite de mais de 120 líderes políticos de alto nível, CEOs corporativos e representantes dos mundos das finanças, academia e mídia se reúnem para discutir assuntos globais. Mas quando uma reunião de alto nível acontece, você pode imaginar que receberia ampla atenção da mídia

No caso das reuniões do ultrassecreto Grupo Bilderberg, no entanto, não é o que geralmente acontece. Em vez disso, a grande maioria da grande mídia simplesmente evita fazer qualquer menção a eles. A reunião Bilderberg deste ano, realizada entre 2 e 5 de junho no luxuoso Mandarin Oriental Hotel em Washington DC, não foi exceção.

hotel-oriental-mandarin-washington-dc-encontro-bilderberg

Estabelecido em 1954, as reuniões do Grupo Bilderberg são apenas para convidados e normalmente ocorrem uma vez por ano. Cerca de dois terços dos participantes vêm da Europa, com o restante vindo da América do Norte

Publicamente, o Bilderberg gosta de afirmar que suas reuniões são simplesmente um fórum para ‘discussões informais’. Na realidade, porém, eles exercem uma enorme influência global.

A nomeação do ex-primeiro-ministro belga Herman van Rompuy como o primeiro presidente do Conselho Europeu em 2009 ocorreu poucos dias depois de ele participar de um jantar especial de Bilderberg que aparentemente foi organizado com o único propósito de considerar sua candidatura. Muitos outros ex-alunos do Bilderberg, como Bill Clinton, Tony Blair e Angela Merkel, também assumiram cargos políticos importantes depois de participar de suas reuniões. Por esta razão, as listas de participantes do Bilderberg são muitas vezes vistas como uma boa indicação de onde pode estar o poder futuro.

Participantes notáveis

Participantes notáveis ​​do mundo da política na reunião deste ano incluíram Henry Kissinger, de 99 anos; Mark Rutte (Primeiro Ministro dos Países Baixos); Sanna Marin (Primeira-Ministra da Finlândia); Charles Michel (presidente do Conselho Europeu); e Margaritis Schinas (Vice-Presidente da Comissão Europeia). O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky também foi cotado para contribuir este ano por meio de um link de videoconferência.

Entre os participantes do mundo corporativo estavam Albert Bourla (presidente e CEO da Pfizer); Emma Walmsley (CEO da GlaxoSmithKline); Ben van Beurden (CEO da Shell); Bernard Looney (CEO da BP); Eric E. Schmidt (ex-CEO e presidente do Google); Yann Lecun (vice-presidente e cientista-chefe de IA do Facebook); Kevin Scott (CTO da Microsoft); e José Manuel Barroso (Presidente da Goldman Sachs International).

Outros nomes de destaque que aparecem na lista de participantes incluem o Rei da Holanda; Jens Stoltenberg (Secretário Geral da OTAN); William J. Burns (Diretor da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos); Jake Sullivan (Diretor do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos); e Jeremy Fleming (Diretor da Sede de Comunicações do Governo Britânico).

Bilderberg espera que a instabilidade global continue

lista-topicos-assuntos-bilderberg-2022

A lista dos principais tópicos de discussão na reunião deste ano sugere que Bilderberg espera que o atual período de instabilidade global continue. No topo da lista de discussão estava o tema ‘Realinhamentos Geopolíticos‘. Isto foi seguido por discussões sobre ‘Desafios da OTAN‘, ‘China‘, ‘Realinhamento Indo-Pacífico‘, ‘Competição de Tecnologia Sino-Americana‘ e ‘Rússia‘.

Tão preocupante quanto esses tópicos de abertura foi uma discussão sobre ‘Continuidade do Governo e da Economia’. Francamente, só podemos adivinhar exatamente a que isso pode estar se referindo. Continuidade após o quê , em outras palavras. 

Outra pandemia global e um colapso da ordem pública? 

Colapso econômico? 

Uma escalada da guerra na Ucrânia? 

Embora uma possível indicação possa ser encontrada no tópico de discussão que se seguiu (“Disrupção do Sistema Financeiro Global”), a mensagem geral de Bilderberg parece ser que o mundo não voltará ao normal tão cedo.

Um outro tópico instigante veio na forma de uma discussão intitulada ‘Desinformação’. Dado os crescentes controles mundiais sobre a liberdade de expressão nos últimos dois anos, particularmente online, e a tentativa do governo Biden de criar o chamado ‘Conselho de Governança da Desinformação‘ com o objetivo declarado de “coordenar o combate à desinformação relacionada à segurança interna”, a participação de vários representantes de peso da big tech na reunião sugere que Bilderberg decidiu que alcançar a ‘Continuidade do Governo e da Economia‘ depende de ganhar ainda mais controle do mundo online.

Após uma discussão sobre ‘Segurança Energética e Sustentabilidade‘ na qual podemos assumir que os CEOs da Shell e da BP desempenharam papéis de destaque, a seguir na agenda foi um item intitulado ‘Saúde Pós Pandemia‘. 

Com a vacina COVID-19 da Pfizer tendo se tornado recentemente o medicamento mais lucrativo da história, a participação de seu CEO este ano pode ser interpretada como um sinal de que Bilderberg está apostando no domínio da empresa na medicina farmacêutica para continuar.

Outros tópicos abordados (ou pelo menos aqueles sobre os quais nos falaram) incluíram discussões sobre a ‘Fragmentação das Sociedades Democráticas‘ e ‘Comércio e Desglobalização’. A reunião aparentemente terminou com uma discussão sobre a Ucrânia.

E aí está. Além de um artigo bem escrito escrito pelo observador de longa data do Bilderberg Charlie Skelton que foi publicado no Guardian, a cobertura da grande mídia da reunião de 4 dias foi praticamente inexistente. No entanto, não era como se a grande mídia não tivesse ninguém presente, pois os participantes incluíam representantes seniores de Axel Springer, The Economist, The Financial Times e outros. 

É simplesmente que eles – e os Bilderberg – não querem que você saiba disso.

Fonte: https://www.dr-rath-foundation.org

5/5 - (1 vote)